quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Como tratar a escoliose

Já estamos em 2012!!!  Que, a exemplo de 2011 está voando e não há tempo a perder!  Principalmente em relação a escoliose.

Quanto mais colegas preparados, mais oportunidades, mais chances para o grande número de pessoas que sofrem de escoliose e que nem sabem que podem ter ajuda e/ou aonde procurar.

Nesse curso que montei estou trazendo o que há de mais moderno e eficaz em termos de tratamento fisioterapêutico da escoliose idiopática do adolescente. Como já postei anteriormente, me dedico ao tratamento da escoliose há 15 anos e no ano passado me comprometi definitivamente a levar adiante o Projeto de Conscientização, Divulgação, Prevenção e Ensino da Escoliose.

Nele estaremos envolvendo os profissionais da área de saúde e a sociedade em geral.

Para podermos dar um sólido alicerce a essa construção de uma nova realidade para a escoliose, precisamos de fisioterapeutas real e plenamente capacitados a tratá-la. Bem poucos sabem da complexidade que envolve essa patologia ainda desconhecida e, por isso temida. Na graduação de fisioterapia não se ensina a tratar a escoliose. Ensina-se a tratar a dor, a luxação, um estiramento, a utilizar a eletrotermoterapia, entre outros tantos, do sistema osteo-mio-articular onde comprovadamente são ineficientes para o tratamento da escoliose.

Nesses anos de prática, que não foram poucos, nem em tempo, nem em número de atendimentos, o que mais ficou claro foi a necessidade de constante aperfeiçoamento, estudo e dedicação. Sem dúvida afirmo que há a necessidade da criação da fisioterapia especializada em escoliose. Porque?

Muitos métodos, técnicas ou protocolos se apresentam como eficazes para tratar a escoliose. Entendo que só é possível alcançar o êxito se usamos essas ferramentas como um poderoso complemento, quando há a verdadeira compreensão da magnitude da complexidade que cerca a escoliose. O mais importante é poder ver o "quadro todo", a importância do trabalho interdisciplinar e o profundo conhecimento de como funcionam as estruturas envolvidas no advento da escoliose. Estamos lidando com uma das mais incógnitas, surpreendentes, desconcertantes, deformantes anomalias do corpo humano, que atingem em cheio a coluna vertebral. O impacto emocional é tremendo, uma vez que atinge, na maioria das vezes, um grupo etário que apresenta inúmeras alterações morfológicas e hormonais,  os adolescentes.

Precisamos de um time forte, coeso e determinado para entrar em jogo; esse ano estamos dando um passo importante para tornar o tratamento da escoliose idiopática do adolescente seguro e eficaz.

Participe disso também! 

Posts relacionados:














2 comentários:

Anônimo disse...

Olá Doutora,fui reprovado em um concurso público por ter escoliose com 16º, procurando o médico, ele disse que o tratamento de correção é feito somente com cirurgia, pois a fisioterapia e RPG, é eficaz apenas na fase de crescimento. Porém essa informação passada por ele, é contrária a várias fontes na internet que li a respeito do tratamento. É mesmo necessário o tratamento cirúrgico?
Obs: Tenho 20 anos,

Obrigado pela atenção.

Patricia Italo Mentges disse...

Olá,
A sua pergunta tem várias respostas:
- em relação ao concurso público, não tenho conhecimento a respeito; sei apenas que na área militar, por exemplo, há restrições. Tratando-se disso creio que a cirurgia não resolveria o problema.
O mais importante disso tudo, é levar em conta a sua saúde. Cirurgia para correção de escoliose com 16º é impensável.
-A afirmação do médico tem fundamento porem é necessário saber se essa escoliose é estrutural ou não. Se for estrutural realmente fisioterapia e RPG apenas alcançariam uma pequena melhora, alívio de sintomas , mas não corrigiriam completamente o desvio.
Se a escoliose não for estrutural, vala a pena a tentativa de um tratamento com fisioterapia especializada. Eu precisaria de mais dados para poder responder de forma mais adequada, mais detalhada.
Se você precisa de mais informações naõ deixe de me perguntar. Pode mandar mensagem por email se preferir.
Espero poder ter ajudado.
Um abraço