quarta-feira, 14 de julho de 2010

Porque voce detesta se alongar?

Saiba que não é só você.

Há muitos anos envolvida com o movimento humano, já que minha 1ª formação universitária foi em Educação Física e 1982, a relação das pessoas com o alongamento me intriga.

Não é verdade que a maioria das pessoas detesta se alongar? Porque?

A resposta mais  frequente é:  porque dói muito e não funciona.

Hoje em dia, como fisioterapeuta, sei da importância do alongamento na manutenção da saúde. Ele exerce grande influência na prevenção e tratamento das lesões do aparelho locomotor (ossos, músculos, articulações e nervos).

Ao mesmo tempo encontro grande resistência quando constato, através da avaliação, que o alongamento será a peça chave do tratamento.
Essa reação perdura até que eu demonstre como deve ser executado: Ah!, assim dá para fazer, não dói!

Mas logo a seguir, com certo descrédito, vem o questionamento: Vai funcionar? Sempre soube que para alongar tinha que doer, se não, não iria adiantar - comentam.

Vamos pontuar alguns itens:
  • eu também ouvi essa afirmação, ou seja, de que temos que forçar em cima da dor para ganhar "tamanho" no músculo;
  • como disse, me formei em 1982, portanto há 28 anos, na época era o que se divulgava no meio universitário; mas já se vão 28 anos. É tempo!
  • nesse período começou a se divulgar timidamente um método de alongamento denominado 3S, que era menos doloroso, mas eficiente;
  • os estudos científicos eram escassos, principalmente se comparados aos dias de hoje;
  • há pessoas que já nascem com mais facilidade para alongar e outras menos. Isso se deve à genética e/ou característica individual;
  • na época dos "estirões de crescimento" se evidencia a sensação do encurtamento muscular. Os ossos  crescem e os músculos passam por um período de adaptação a essa situação. As crianças nessa fase tendem a ser mais encurtadas.
  • não se divulgava ainda a noção de Cadeias Musculares, nem de globalidade, embora as primeiras idéias já tenham surgido por volta dos anos 50, através do brilhante trabalho de Françoise Mezières, na França;
Obs: Os primeiros trabalhos de Madame Mezières foram rejeitados com veemência pela comunidade científica. O desconhecido gera medo e, portanto desconfiança.
Hoje as bases da noção de globalidade se devem a ela, que teve inúmeros seguidores e pupilos brilhantes.
  • ainda hoje muitas pessoas desconhecem o conceito de globalidade que se relaciona diretamente ao conceito de "compensação". É quando os músculos focados provocam alterações no posicionamento do corpo, o que impede que o alongamento realmente chegue nele.
Para ajudar na compreensão do conceito de globalidade vale dar uma lida em Tensegridade.
  • devemos priorizar "qualidade" e não "quantidade" de movimento.
  • dor é a forma pela qual o nosso corpo avisa que algo está errado, é sinal de lesão. Parece lógico causar dor para alongar?
Você que está lendo esse post com certeza já passou pelo mesmo problema.

Eu também! E como sempre tive facilidade nos alongamentos gostava de forçá-los. Hoje sei muito bem o que significou tudo isso.

A suavidade é tudo! Conhecer-se a si mesmo - nossas características que são pessoais - é um poderoso aliado na nossa busca de bem estar.
E pergunto : como o alongamento, algo que era para ser agradável é considerado por muitos uma tortura?

O desconforto é tanto que as pessoas abandonaram qualquer ideia de se alongar.

A seguir algumas dicas para um alongamento seguro e eficaz :
  • o alongamento deve ser suave;
  • deve se dirigir a um grupo de músculos com determinada função. Dirija-se 1º ao grupo de flexores do quadril, por exemplo, para depois com atenção e cuidado com as "compensações", objetivar o músculo mais encurtado;
Obs: Essa constatação ( de que músculo deve ser priorizado) se obtém após uma avaliação criteriosa;
  • nunca permita que o desconforto seja tal que altere sua frequência respiratória, você tem que estar confortável o suficiente para que isso não aconteça, aliás a respiração deve ser fluida e tranquila.
  • não permita que seu corpo "compense". Exemplo: se estiver deitado (a), e quiser alongar os músculos da parte de trás da sua coxa, ao elevar a perna, não permita que seu quadril saia do chão, ou da superfície de contato;
  • procure manter seu corpo alinhado, evite sair do "prumo" para alcançar o alongamento;
  • seja paciente, os resultados virão no tempo certo.
Em resumo : ouça seu corpo. NÃO ULTRAPASSE SEUS LIMITES!

Atualmente existem várias publicações a respeito, e tenho a satisfação de dizer que um amigo e profissional muito dedicado,  Ercole Rubini, escreveu um livro que faz um apanhado das mais novas pesquisas na área.
Se trata de um material muito importante para nós que queremos atuar em um nível ótimo de competência e comprometimento. O título é :"Treinamento de Flexibilidade, da teoria a prática." da Sprint.

Em 21 de Abril postei O sonho tornando-se realidade, sobre o seu lançamento.
   
Então... alongue-se.  Ser flexível no corpo nos faz flexíveis diante da vida. E acredite, pode ser prazeroso!

6 comentários:

Rodrigo Sant’Anna disse...

Maravilhoso "post". Eu que sou todo duro, e paradoxalmente, sou mestre de Taekwondo, já senti muito na pele, as consequências do alongamento forçado...
Parabéns!

Patricia Italo Mentges disse...

Valeu Rodrigo!
É verdade não é? Eu também já me machuquei forçando a barra.
A conscientização é importante. Quando conhecemos podemos prevenir.
Muito obrigada!
Bjs

Anônimo disse...

Oi Patricia,
Agradeço a lembrança e o carinho!
Seu blog tá muito legal!
Tou sempre acompanhando!

Um beijão do seu fã e eterno aluno
Ercole

Patricia Italo Mentges disse...

Oi Ercole!
Fico muito feliz que tenha gostado.
Seu livro é referência para que quiser saber como se faz um treinamento de flexibilidade de forma segura.

Mais uma vez parabéns!
Bjs e muito carinho

Carolina Gabriel disse...

Patrícia, primeiramente parabéns pelo blog e pelos artigos, brincando, já li 3 artigos muito bons.
Sobre este artigo, realmente quando se fala em alongamento há uma grande resistência, inclusive da minha parte. Mas este artigo me deixou mais animada, e vou tentar iniciar uma nova jornada de alongamentos, porém desta vez, sem forçar a barra, afinal é sempre o motivo pelo qual acabo desistindo de alongar. Fiquei bem curiosa também em conhecer mais sobre o Core Training, vou pesquisar mais sobre o assunto.
Mais uma vez parabéns!

Patricia Italo Mentges disse...

Oi Carolina, estou muito feliz pelas suas palavras, não apenas pelos elogios, mas ppor saber que pude motivá-la a se alongar novamente.
O segredo é a suavidade e ela deve vir acompanhada de paciência e boa vontade com o nosso corpo.
Em relação ao Core Trainig há alguns artigos e suas relações com o músculo transverso do abdomem. Se vc procurar por Core tem uns quatro artigos e mais dois sobre o transverso.
É muito interessante essa nova abordagem de exercício.
Muito obrigada e seja muito bem vinda!
Até breve!