sábado, 3 de julho de 2010

Escoliose , o maior dos desafios

A escoliose representa um grande desafio para mim e se constitui num dos assuntos que mais gosto de estudar e pesquisar.
Ela envolve muito desgaste emocional tanto para a pessoa acometida, geralmente adolescente, como para os pais.
É ainda um tabu e acho que é hora de começarmos a falar abertamente sobre ela.

A ignorância é um dos principais responsáveis pela sua temeridade.

Quanto menos sabemos sobre determinado assunto, mais o tememos.
No Brasil a informação a respeito da escoliose é muito restrita e isso abre caminho para mal entendidos e incompreensões.

Quando você ouve a palavra "deformidade"  pode pensar em personagens meio ocultos (sombrios) do cinema  e que certamente não é algo que possa afetar o seu filho saudável.
Mas qualquer curva lateral acompanhada de rotação da coluna vertebral - conhecida como escoliose- é considerada uma deformidade.
Uma coluna com escoliose, vista de costas, apresenta uma forma que lembra as letras C ou S, quando normalmente a coluna vertebral se parece com a letra I.

Sua detecção e sua gestão precoce podem impedir sua evolução a um grau extremo.

É aí que proponho o surgimento da Fisioterapia Escolar no Brasil, já que o rastreio na Escola tem um papel fundamental no controle da escoliose.

Nos USA cerca de metade dos estados tem triagem obrigatória de escoliose nas escolas.

Eles acreditam que os programas de rastreio de escoliose ajudam a detectar precocemente esta deformidade, que por sua vez, podem evitar cirurgias no futuro.
Além disso, em países pobres e bairros mais desprovidos, a escoliose detectada na escola pode ser a única chance de a criança receber a ajuda que necessita em tempo hábil.

Dados nos trazem que cerca de 2% da população mundial tem escoliose, sabe o quanto isso representa?

O estranho é que ela é subestimada, ou pelo menos parece ser, já que não existe uma política de saúde para a escoliose.
  • CAUSAS:
Há inúmeras causas para a escoliose, incluindo doenças neurológicas ( paralisia cerebral, distrofia muscular, espina bífida), problemas congênitos (presentes no nascimento), mas na MAIORIA DAS VEZES, A CAUSA É DESCONHECIDA.

A escoliose com causa desconhecida é chamada IDIOPÁTICA, que corresponde a mais de 80% das escolioses.


A escoliose idiopática é classificada de acordo com a idade em que a deformidade se instalou:

-infantil-  escoliose começa na idade de 3 anos ou menos;

-juvenil-  escoliose começa entre 3 e 10 anos de idade;

-adolescente- escoliose começa entre 10 quando o esqueleto (ossos) amadurece.

O TIPO MAIS COMUM É A ESCOLIOSE IDIOPÁTICA do ADOLESCENTE.

Algumas pessoas podem ser mais propensas a curvar a coluna. Na maioria dos casos são meninas.
A curvatura geralmente piora nos períodos de ESTIRÃO de CRESCIMENTO.

Escolioses em bebês e crianças jovens são menos comuns e afeta meninos e meninas igualmente.
  • SINAIS:
Podemos desconfiar se um ombro perecer estar mais alto que o outro, a pelve(quadril) parece estar meio desviada do eixo, ou a cintura parecer ser mais estreita (marcada) de um lado que do outro.

Observadores não treinados frequentemente não notam ou percebem a curvatura nos estágios iniciais.

O teste mais comum - o Teste de Adam.
É aquele em que se pede uma flexão de tronco à frente, com os pés juntos e os braços relaxados.
O observador pode definir a curva, ficando posicionado atrás do paciente.
No exemplo ao lado foi detectada uma escoliose torácica direita.

 

O ideal é que, assim que se observe a presença da escoliose, a criança ou o adolescente seja encaminhado a um ortopedista que fará o diagnóstico preciso através de testes clínicos e exames complementares como o RX.
  • TRATAMENTO:
Pode necessitar da utilização de colete ortopédico, dependendo do grau da curva, e de tratamento fisioterápico específico (existem métodos e técnicas próprios para o tratamento de escoliose).

Alguns casos, dependendo da gravidade da curva, podem exigir tratamento cirúrgico.

Os programas de rastreamento destinariam-se a reconhecer a escoliose enquanto a pessoa é jovem o suficiente para se beneficiar significativamente do tratamento.

Uma boa notícia:
O último Congresso mundial sobre tratamento conservador, isso quer dizer não cirúrgico, da Escoliose - SOSORT - realizado este ano no Canadá, salientou a importância do tratamento através de exercícios terapêuticos para a escoliose.

O segredo, então, é a prevenção, e se a escoliose for detectada o mais importante é manter a calma pois a melhor atitude é a positiva.

Na minha prática clínica tive muitos casos de sucesso e isso se deveu principalmente à adesão ao tratamento por toda a família. Um comprometimento real por parte de todos os envolvidos é fundamental.

Espero ter ajudado a elucidar um pouco a escoliose e estou a seu dispor para maiores esclarecimentos.

Um super abraço!!!

6 comentários:

Karol disse...

olá! Eu tenho escoliose, e adorei seu texto, traduz em muito o que sinto,pois a escoliose não é muito conhecida no Brasil e quem a tem sofre muito pelo desconhecimento e ignorância das pessoas.

Patricia Italo Mentges disse...

Oi Karol é verdade!
Como estou envolvida há anos com o tratamento da escoliose convivo com essa realidade.
Mas o bom disso tudo é que apesar da ignorância vigente temos conseguido bons resultados. É claro que tudo seria melhor se mais pessoas pudessem ter acesso tanto à informação a tratamento.
Voce se trata? Como está?
Tudo de bom!
Bjs

denise disse...

Sabe Patricia é tão difícil trabalhar com prevenção....Meu trabalho final da faculdade foi exatamente sobre isso..." se pelo plantigrama se poderia prevenir deformidades" foi uma pesquisa de campo que durou 2anos, conclusão a escola achou muito boa a proposta mas não apoiou..,.justificativa: os pais não entenderiam.

Patricia Italo Mentges disse...

É Denise, não é fácil não!
Sei que assim, que infelizmente essa história não é a única mas temos que acreditar, continuar tentando.
O novo provoca desconfiança, a ignorância provoca um hermetismo difícil da gente lidar.
Vamos que vamos....
Beijos e força para nós!

Elisangela Cipriano disse...

Patricia, acabamos de descobrir que nossa filha de 9 meses tem escoliose congenita, toracica e cervical. Já faziamos fisioterapia nela por causa de um torcicolo congenito, que provavelmente foi causado pela escoliose. Confesso que estamos tristes e confusos. Você tem alguma dica para nos dar?

Patricia Italo Mentges disse...

Oi Elisangela, eu não trabalho com crianças tão pequenas, mas o que, geralmente se deve fazer nessa idade, é a utilização de um colete gessado. essa técnica foi desenvolvida pelo Dr Min Mehta. Ele desenvolveu esse método que tem resultados excelentes. Vou te dar um link para vc dar uma olhada.

http://www.infantilescoliosis.org/index.html

É e uma fundação nos Estados Unidos que pesquisa e é especializada em escoliose infantil. Aqui no Brasil te indico procurar um médico que tenha conhecimento desse método. Recebi uma mensagem de uma mãe de Goiania que está para começar esse tratamento. Vou procurar pesquisr pra vc também. gostaria muito de que vc me mantivesse informada ok? vc tem o meu email no aqui blog.
desejo o melhor para vocês. Bjs