terça-feira, 12 de outubro de 2010

O quadril e a lesão de joelho IV

Dando continuidade a abordagem das lesões de joelho provenientes do quadril, abordarei a Síndrome da banda iliotibial ou do trato iliotibial.

A banda ou trato iliotibial é uma camada densa e fibrosa de tecidos conectivos, que tem origem na Espinha Ilíaca Antero Superior (protuberância óssea na região anterior do osso ilíaco no quadril) e se dirige para baixo, pela parte externa da coxa atravessando o lado externo do joelho, se ligando à parte lateral de cima do osso da perna (tíbia). A síndrome é caracterizada pela inflamação da extremidade inferior desta banda e/ou da bursa que se localiza na lateral (parte de fora) do joelho.

Essa síndrome é comum nos corredores, ciclistas e triatletas.

Porque ela aparece?
Ao flexionar e estender o joelho, a parte inferior da banda passa por cima do côndilo femoral lateral, uma saliência óssea do femur que está na logo acima do joelho. Quando existe atrito entre essas duas estruturas, a banda iliotibial fica irritada e inflamada, causando dor.

Alguns fatores facilitam o seu aparecimento:

  •  Músculos que se originam no quadril e se dirigem ao joelho, cronicamente encurtados e/ou tensos; como a banda iliotibial que se origina dos músculos tensor da fascia lata e glúteo máximo;
  •  Fraqueza do músculo glúteo médio o que facilita a ativação do músculo tensor da fascia lata;
  •  Pernas com diferença de comprimento (perna mais curta que a outra);
  •  Alterações posturais dos membros inferiores: joelho varo (arqueado para fora), rotação interna do joelho, pé plano ou pronação excessiva dos pés);
  •  Correr em superfície inclinada, terrenos irregulares, subidas e descidas em excesso;
  •  Calçado inadequado;
  •  Aumento abrupto da intensidade do treinamento ou treinamento sem orientação de um profissional;
  •  Posicionamento incorreto dos pés no pedal da bicicleta – uma dica é posicionar o pedal com o calcanhar aproximadamente 6° para fora;
  •  Altura incorreta do banco da bicicleta;
  •  Alteração do posicionamento do osso ilíaco, alteração postural da região lombo-pélvica.  
Queixas principais:

Os sintomas da síndrome ITB geralmente começam com dor na face lateral do joelho um pouco acima da superfície articular. A dor intensifica-se durante uma atividade física repetitiva, podendo fazer com que o praticante desista de seu treino. Com a piora do quadro inflamatório (bursite), a dor pode irradiar-se para a face lateral da coxa e para baixo (face lateral da perna). Os pacientes por vezes relatam um estalido na parte externa do joelho.

E depois do tratamento?

Após tratamento fisioterápico você deve ser capaz de regressar às atividades normalmente no prazo de quatro a seis semanas, em média. Você deve ser acompanhado por um fisioterapeuta durante este tempo.
Reeducação postural, consciência corporal, fortalecimento, alongamentos musculares, propriocepção - proteção articular - e Core Training são escolhidos para corrigir desequilíbrios, como a fragilidade no músculo glúteo médio, o encurtamento do TIT ou padrões viciosos de movimento. Lembre-se sempre que devemos determinar a causa para não corrermos o risco de tratarmos os sintomas.

O mais importante é que se trate de forma INTEGRAL, levando em conta toda a estrutura corporal e a situação geradora da lesão.

Lembram que já falei sobre o fato de que o local do sintoma muitas vezes não coincide com a sua causa

Quanto tempo para voltar às atividades:

O objetivo da fisioterapia é que permitir o retorno ao esporte ou atividade o mais rápido e seguramente possível. Se o retorno for muito precoce poderá piorar a lesão, o que poderia levar a um dano permanente. Todos se recuperam de lesões, porém cada um a seu tempo.
O retorno às atividades será determinado pela recuperação do joelho, não por quantos dias ou semanas se passaram desde a ocorrência da sua lesão.

O que acontece com frequencia, é que muitas pessoas demoram a procurar ajuda e isso faz com que se leve  mais tempo para melhorar.

É possível prevenir a síndrome?

A resposta é : sim.

É fundamental passar por uma boa avaliação física, observar alterações posturais e corrigí-las, fazer aquecimento antes da atividade,alongar-se e trabalhar o corpo de forma harmoniosa e integralizada.

Em resumo: O fundamental é observar a postura em todos os seus ângulos; a postura corporal estática, dinâmica e a postura na execução dos movimentos específicos, seja na corrida ou na pedalada.

Espero ter contribuído para esclarecer conceitos fundamentais para a saúde dos praticantes de atividades como corrida, ciclismo e triatlon.

Pode ser util dar uma lida nos posts anteriores I, II e III.


Bons treinos, boas pedaladas e corridas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

4 comentários:

Anônimo disse...

Muito Bom! Parabéns!
Abraço

Patricia Italo Mentges disse...

Muito obrigada!!!
É para voces que faço o Blog e espero contribuir para uma melhor qualidade de vida através de informações úteis.
Abraços

Arquimedes Santos disse...

Estou sofrendo este distúrbio após excesso em um treinamento. As informações foram muito úteis. Grato!

Patricia Italo Mentges disse...

Que bom saber disso Arquimedes!
É para isso e para que as pessoas fiquem mais conscientes de que o corpo está inteiramente interligado, que faço esse blog.
Ultimamente diminuí bastante as postagens devido as minhas atividades como co-fundadora do Projeto Escoliose Brasil.
Mas continuarei a fazer o meu trabalho por aqui também.
Tudo de bom!!!!